terça-feira, 16 de agosto de 2016

Stranger Things (sem spoilers) - Nancy através do espelho

Quando a discussão é Stranger Things, a galera começa a se perder nas teorias sobre o final ou nas várias referências aos anos 80, as existentes e as inventadas. Isso tudo é bacana, mas acaba que não se fala muito da série em si, da narrativa, construção dos personagens, atuação, estética etc. Então resolvi focar em um ponto que achei interessante na construção da personagem Nancy.

Uma coisa que me chamou atenção enquanto assistia Stranger Things é que volta e meia alguém chegava para a Nancy e mandava algo assim, “Essa não é você”. A melhor amiga dela fala isso e também o irmão do desaparecido Will, e se não me engano a mãe dela. E tudo isso porque a Nancy, a menina certinha, resolveu ir às festas com o playboy da escola e beber cerveja. Pô, gente, deixa a garota ué.
DR das amigas. Só faltou o "Você tá com inveja!"
Isso ficou na minha cabeça e mais para frente, quando Nancy desabafa o seu incômodo com a felicidade de aparência da sua família, eu percebo o quanto a história dela representa a série.

À primeira vista Nancy é uma adolescente que tem a vida perfeita, com sua bela casa de subúrbio, irmãozinhos, pais decentes, boas roupas, boas notas e uma aparência que chama atenção dos meninos de Hawkings. Mas essa vida possui uma dimensão paralela semelhante ao Mundo Invertido.

Sua família não é feliz nem infeliz, é apática; eles visivelmente não conseguem se conectar. A mãe chega a arrombar a porta do quarto da filha. A irmã caçula está sempre assustada. O irmão passa o dia no porão e esconde uma menina por quase uma semana. E o pai? Ted Wheeler é o típico homem que só perceberia que a mulher o largou quando o jantar atrasasse. O cara é alheio a tudo e a voz dele é naturalmente queixosa.
Sério, é a garotinha mais triste e assustada da TV!
Mas Nancy tem boas notas e um futuro garantido, certo? Não necessariamente, afinal ela é de uma cidade pequena cujo melhor emprego é fazer experiências em crianças. Ela vai ter que ir para cidade grande e competir por emprego com vários outros jovens de cidadezinha iguais a ela. E vale lembrar que se trata de uma mulher num mundo machista, e dos anos 80! Em nenhum momento na série sua inteligência é vista como algo positivo.

É fácil entender por que Nancy está cansada de ser perfeitinha e começa a fazer bobagens. A vida toda ela viveu uma fantasia e então viu o Mundo Invertido da própria família. Agora ela busca uma saída dessa ilusão, uma vida mais autêntica.

E existem vários pequenos detalhes que reforçam esse conflito entre fantasia e realidade que Nancy vive. No primeiro episódio, em sua primeira aparição, ela dá um fora no Dustin Dentes de Bebê (como ela pôde?!) e o menino frustrado reclama dela para o irmão, Mike, dizendo que ela não é mais legal (“She got a stick on her butt”, diz o poeta). Mike, como um típico irmão mais novo, responde que ela nunca foi legal. É quando Dustin diz: “Ela era legal. Lembra quando ela se vestiu de elfa na campanha da árvore?”
Os garotos fofocando sobre Nancy
Depois, quando os meninos precisam transformar Eleven numa garota mais comum para infiltrá-la na escola, eles recorrem às roupas antigas de Nancy. Curiosamente, há uma peruca loira no meio das coisas, muito provável de uma outra fantasia (ou fazia parte da roupa de elfa). O disfarce de menina comum de Eleven é bem caricato, quase me fez chorar por estragarem o estilo da Elle. Parecia algo que uma criança vestiria num seriado infantil dos anos 90, tipo Barney o dinossauro. E é interessante que sejam roupas da Nancy. Talvez para Nancy também servissem como disfarces de uma menina comum.
Eleven em seu Dia de Princesa
Então Barb de certa forma está certa ao confrontar a amiga. Aquela não era Nancy, mas Nancy nunca pôde ser ela mesma. Nancy é uma garota procurando uma passagem para sair de seu Mundo Invertido pessoal em que está presa. É significativo que ela seja uma das primeiras personagens a visitar o Mundo Invertido de fato. E justamente através de um portal em uma árvore, como uma típica elfa da floresta faria. Ela começa a enxergar uma realidade muito maior, uma nova possibilidade de existência, tomar café de noite e uísque de manhã, essas coisas
O Mundo Invertido
Nancy tem tudo a ver com a temática da série e é uma personagem que pode crescer muito numa possível 2º temporada. É claro que produções populares acabam frustrando ao não correrem riscos. Então não me surpreenderia se continuassem focando mais nos namoricos mesmo.

Um comentário: